ALÔ TV!

06/03/2017 as 18:36

Mulheres comandam cada vez mais lares brasileiros

É quando as desigualdades de gênero e raciais se sobrepõe no nosso país"

Agência Sputnik
Foto: Reprodução/Agência Brasil<?php echo $paginatitulo ?>

Estudo "Retratos das Desigualdades de Gênero e Raça", divulgado nesta segunda-feira (6) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que aumentou o número de mulheres chefiando famílias no país. Em 1995, 23% dos domicílios tinham mulheres como pessoas de referência. Em 2015, 20 anos depois, esse número subiu para 40%.
O estudo do Ipea traz recortes por sexo e raça comparando o branco a negros e analisando as sobreposições de desigualdade durante o período de 1995 a 2015.

Segundo a Técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea, Natália Fontoura,  as mulheres trabalham muito mais hoje, cerca de 7,5 horas a mais que os homens, por conta da dupla jornada, dentro e fora de casa, e ainda assim seguem ganhando menos do que os homens, apesar da escolaridade ser mais alta entre elas.

"A taxa da participação das mulheres no mercado de trabalho aumentou muito nas décadas anteriores 60, 70 e 80, mas nos últimos 20 anos percebemos uma estabilização dessa participação. Parece que as mulheres alcançaram um teto de entrada do mercado de trabalho, elas não conseguiram superar os 60%, que nós consideramos um patamar baixo até em comparação a outros países. A responsabilidade feminina pelo trabalho de cuidado, ainda continua impedindo que muitas mulheres entrem no mercado de trabalho. Ao mesmo tempo, aquelas que entram no mercado de trabalho continuam respondendo pelas tarefas domésticas. Isso faz com que nós tenhamos a dupla jornada e a sobrecarga de trabalho. E se pegarmos somente as pessoas ocupadas e considerar a jornada dos homens  para o mercado e a jornada dentro de cada, a jornada total de trabalho das mulheres é maior do que a dos homens."

Outro ponto destacado por Natália Fontoura, foi sobre o preconceito e desvantagem quanto as mulheres negras no mercado de trabalho, que segue bem abaixo do que mulheres e homens brancos. "Nós temos por exemplo no mercado de trabalho a posição de desvantagem das mulheres negras. Ao longo desses 20 anos, apesar de algumas mudanças importantes, como o aumento de renda da população ocupada, em especial das mulheres negras, a hierarquia homens brancos, mulheres brancas, homens negros e mulheres negras no mercado de trabalho se mantém. A desvantagem das mulheres negras é muito pior em muitos indicadores, do mercado de trabalho em especial, mas também na chefia de família, ne pobreza. É quando as desigualdades de gênero e raciais se sobrepõe no nosso país." 

No que diz respeito ao grau de escolaridade entre as raças, o estudo do Ipea indica que nos últimos anos, mais homens e mulheres no Brasil chegaram ao nível superior. A especialista explica que entre 1995 e 2015, a população adulta negra com 12 anos ou mais de estudo passou de 3,3% para 12%. Porém, o nível alcançado em 2015 pelos negros era o mesmo que os brancos tinham já em 1995, ou sejam a população branca com tempo de estudo igual ao da negra praticamente dobrou nos últimos 20 anos, passando de 12,5% para 25,9%.

"Analfabetismo é uma questão que avançou muito no nosso país, vem reduzindo muito a taxa para toda a população, mas se comparamos as mulheres negras e brancas, o analfabetismo das mulheres negras é mais do que o dobro das mulheres brancas."

O Ipea destacou ainda a redução de jovens entre as empregadas domésticas. Em 1995, mais de 50% das trabalhadoras domésticas tinham até 29 anos de idade (51,5%); em 2015, somente 16% estavam nessa faixa de idade. 18% das domésticas eram mulheres negras e 10% eram de mulheres brancas no Brasil em 2015. Sobre a renda das domésticas, em 2015 atingiu o valor médio de R$ 739, enquanto o salário mínimo, na ocasião, era de R$ 788. "Nesse últimos 20 anos, podemos ver algumas tendências interessantes, como o aumento da renda das trabalhadoras domésticas. Só que, ainda assim, no último ano da séria  2015, a média do Brasil não alcançou nem o salário mínimo", afirmou Natália Fontoura. 




Tópicos Recentes