ALÔ TV!

08/03/2017 as 20:06

Candelária: corais hoje não foram de preces, mas de críticas às reformas

"Se passa essa reforma, vamos trabalhar igualmente como os homens até os 65 anos

Agência Sputnik
Foto: © Sputnik/ Mario Russo<?php echo $paginatitulo ?>

Cerca de 2 mil manifestantes de diversos movimentos sociais comemoraram nesta quarta-feira, 8, o Dia Internacional da Mulher na Candelária, no Centro do Rio, e protestaram contra as reformas apresentadas pelo governo Temer. A iniciativa se repetiu em mais de 20 capitais pelo país a partir da mobilização feita pela Frente Brasil Popular.A ênfase das manifestações convocadas pela Frente, que reúne mais de 60 entidades, foi de que somente as mobilizações populares poderão barrar a perda de direitos que vão advir com a aprovação das reformas. Uma das entidades presentes à mobilização da Candelária foi o Coletivo Mulheres do PT e o Comitê Anule-se o Impeachment: Volta Dilma. Príscila Carvalho, integrante de ambos os movimentos, diz que a reforma da Previdência não está descolada de todo um processo político que o Brasil vem enfrentando. desde o impeachment da presidente Dilma Rousseff no ano passado.
"A gente percebe que o arrocho à classe trabalhadora, às mulheres, à população LGBT e a negra está associado ao processo do golpe, que não só foi dado como está em curso, e a reforma da Previdência é um dos braços fortes dos interesses neoliberais desse atual governo não eleito, golpista, não nacionalista e entreguista", diz Príscila, observando que a manutenção dos protestos e mesmo o aumento das manifestações preocupam o governo e a base aliada.

"Se de alguma maneira não pudesse ameaçar, o conjunto de políticos golpistas desse país e entreguistas, que não tem nenhum compromisso com a nação brasileira, não investiria pesado nas mídias, principalmente na televisão que hoje é uma rede transmidiática que mantém, através das ideologias dominantes, valores impostos à maior parte da população, uma narrativa falsa sobre o que estamos passando nesse momento no país. A maior manifestação popular pode, sim, sinalizar claramente que a sociedade brasileira não está contente com esse processo", diz a ativista.Cilda Sales, integrante do Movimento Mulheres em Luta (MML), filiado ao CSP Conlutas, era outra manifestante presente na Candelária e que se mostrava indignada com as propostas de reforma da Previdência e da legislação trabalhista defendidas pelo governo. Após lembrar a importância da paralisação internacional de mulheres e protestos ocorridos nesta quarta-feira em quase 60 países, Cilda observou que, além de injusta, as mudanças na Previdência vão impactar diretamente a vida das mulheres.

"Se passa essa reforma, vamos trabalhar igualmente como os homens até os 65 anos. Muitas professoras vão perder a aposentadoria especial de 25 anos, já que eles querem elevar para 30 anos a aposentadoria das professoras. Essa reforma da Previdência é cruel e nefasta para todo o povo brasileiro. Estamos aqui também para construir uma greve geral no próximo dia 15", garante Cilda.




Tópicos Recentes