POLÍTICA

28/12/2017 as 19:36

Secretário antecipa que gestão de Edvaldo seguirá deixando a desejar em 2018

Quorum

Política
Por Habacuque Villacorte
<?php echo $paginatitulo ?>

O “homem forte” da Prefeitura de Aracaju, o secretário municipal da Fazenda, Jeferson Passos, jogou nessa quinta-feira (28) um verdadeiro “balde de água fria” em mais de 600 mil aracajuanos que aguardam, com ansiedade, o cumprimento das promessas feitas pelo prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), ainda quando candidato nas eleições de 2016. Em entrevista ao último programa do radialista George Magalhães do ano, o auxiliar da PMA ratificou que as finanças da gestão seguirão em dificuldade em 2018 e que a única meta da administração, por enquanto, é voltar a fazer o pagamento dos servidores dentro do mês trabalhado.

 

Questionado pelo apresentador por eventos festivos que geralmente atraem turistas do interior e de outros Estados e, consequentemente, investimentos, como o Carnaval, o aniversário da cidade, o Forró Caju e os tradicionais desfiles da independência, Jeferson Passos não assegurou a realização de nenhum deles e disse que cada caso será avaliado na medida em que for se aproximando o período de realização do evento e dependendo do apoio da iniciativa privada, ou seja, se os empresários não assumirem os eventos, a PMA novamente não irá promovê-los em 2018.

 

Por sua vez, quando a repórter Magna Santana questionou sobre a garantia do reajuste para o funcionalismo municipal no próximo ano, Jeferson Passos veio com outro negativo: a prioridade é pagar os servidores dentro do mês trabalhado e a Prefeitura vai trabalhar neste sentido. Só terá condições de dar algum percentual de reajuste se as receitas do município aumentarem. Caso contrário a medida está praticamente descartada.

 

Um dos ouvintes do programa, que participou ao vivo por telefone, chegou a fazer duras críticas ao secretário, lembrando que os servidores da PMA não devem esperar muita coisa de Jeferson Passos já que, enquanto ele respondeu pelo cargo de secretário da Fazenda do Governo do Estado, o funcionalismo público passou a conhecer o corte de reajustes, o parcelamento e atraso dos salários, além de acumular perdas inflacionárias. Em síntese, o ouvinte alertou algo que este colunista já havia antecipado aqui, meses atrás: Jeferson Passos não é um “mensageiro de boas notícias”.

 

Lamentavelmente, o prefeito Edvaldo Nogueira, que tanto reclama da gestão de João Alves Filho (DEM), mas que já viabilizou tantos milhões em empréstimos, sobretudo graças a intervenção do líder do governo no Congresso Nacional, deputado federal André Moura (PSC), encerra seu primeiro ano de mandato bastante desgastado. Para quem prometeu demais em 2016, que sabia fazer, pouco fez, foi pura decepção. Ainda temos três anos pela frente, há tempo para isso, mas não custa lembrar que a gestão do democrata só desandou do meio para o fim. A de Edvaldo, pela expectativa criada, nem parece que começou...

 

Veja essa!

Vira e volta e os problemas na Saúde pública de Sergipe persistem. Agora vem a tona o risco de fechamento do Hospital da Polícia Militar por falta de pagamento do poder público. Quando não é o HPM, é o Cirurgia, o São José ou o Santa Isabel.

 

E essa!

Com todo respeito que este colunista tem pelos órgãos fiscalizadores, ou se toma uma atitude enérgica com a Saúde em Sergipe, inclusive com a possibilidade de uma intervenção, ou vamos passar 2018, um ano eleitoral, mais uma vez vendo a nossa Saúde em segundo plano...

 

Sukita

O ex-prefeito de Capela não gostou do comentário feito por este colunista e outro jornalista a respeito de imbróglio em torno da falsificação ou não de sua assinatura no caso da renúncia do PSB. A coluna respeita Sukita, entende que é um direito dele concordar ou não, mas não vai permitir que ele “dite” as análises.

 

Com Valadares

Sukita insinuou que este colunista teria feito o comentário anterior mediante orientação do senador Valadares, o que não é verdade. E a análise em questão não questiona nem a veracidade ou não da assinatura, mas se o ex-prefeito está fazendo alguma espécie de “jogo político” para desgastar um adversário com potencial eleitoral para 2018.

 

JB e Edvaldo

Este colunista costumeiramente cobra das gestões do governador Jackson Barreto e do prefeito Edvaldo Nogueira, mas respeitosamente, e nunca fora questionado por nenhum deles, ou tenha recebido qualquer insinuação que tenha criticado a mando de “A” ou de “B”. Se Sukita tem algum problema com algum outro comunicador, este colunista não vai entrar no mérito da questão.

 

Falando nele

Já que costuma falar em nome da esposa e prefeita de Capela, Sukita poderia explicar o fato de, nessa quinta-feira (28), a administração ter permitido que a energia do Matadouro Municipal fosse cortada. Os marchantes ficaram revoltados sem poder trabalhar.

 

Fala Sukita

Vários marchantes tiveram que se deslocar para outros municípios porque o Matadouro de Capela estava com a energia cortada. Uns seguiram para Nossa Senhora das Dores e outros para Muribeca e ficaram impedidos de comercializarem na feira de Pirambu. O que Sukita tem a dizer?

 

Alô MPE e TCE!

Mas se não tem uma saúde eficiente e se a energia no Matadouro em Capela foi cortada por falta de pagamento, não falta dinheiro para festa. A “cidade da festa boa” já anuncia para fevereiro atrações como Gabriel Diniz, Márcia Fellipe, Samyra Show, Jonas Esticado e Devinho Novaes, tudo pago com dinheiro público.

 

Com Temer

A coluna publicou ontem que o governador Jackson Barreto tinha assinado a carta dos governadores para o presidente Michel Temer (PMDB), ameaçando processar o ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo da presidência da República, alegando que estariam sendo processados pela liberação do empréstimo junto à Caixa em troca dos votos favoráveis à Reforma da Previdência.

 

Exclusiva!

As informações dão conta que Jackson Barreto segue muito bem alinhado com o presidente da República e que já estaria trabalhando, junto a bancada federal, para conseguir os votos favoráveis à Reforma da Previdência. JB não teria assinado a Carta enviada ao presidente da República.

 

Tréplica

O ministro Carlos Marun rebateu a carta dos governadores dizendo que a reação nada mais tem do que uma preocupação com as eleições de 2018. “A reação daqueles que querem continuar omitindo a participação do Governo Federal nas ações resultantes de financiamentos obtidos junto aos bancos públicos só se justifica pela intenção de buscar resultados eleitorais exclusivamente para si”.

 

Carlos Marun

“Estes defendem a equivocada tese de que quem recebe financiamentos pratica ações de Governo e que quem os concede, não”. Marun disse ainda que assistiu a entrevista que deu aos jornalistas e que nada viu de errada nas suas declarações. Alegou ter sido mal interpretado e que o governo sempre privilegiou o apoio aos estados e municípios. “O Brasil avança. Nossa economia reage. Nada me afastará do objetivo de fazer com que o país não retroceda”.

 

João Daniel

O deputado federal João Daniel (PT) avalia a postura do governo federal como “chantagem”. “Parabenizamos os governadores que não se submetem a essa chantagem e reafirmamos nossa posiçao contrária a essa proposta que, no nosso entendimento, continua nociva aos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros", afirmou João Daniel.

 

Chantagem

O deputado lembrou-se da importância desse empréstimo pleiteado pelo governo de Sergipe para a recuperação de várias estradas do estado. "É impossível que o governo federal use essa chantagem diante de um empréstimo que o governo estadual vai pagar com juros", acrescentou João Daniel, ao conclamar a sociedade brasileira a não se curvar a essa arbitrariedade do governo federal.

 

André Moura  

Por meio de destaque orçamentário do Ministério da Integração Nacional, o deputado federal André Moura conseguiu recursos no valor de aproximadamente R$ 2 milhões para aquisição de tratores agrícolas, estes estão sendo doados às prefeituras e associações comunitárias para a execução de diversos serviços nas zonas rurais de 14 municípios das Bacias dos rios São Francisco e Vaza-Barris.

 

Contemplados

Foram contemplados com o equipamento os municípios de Areia Branca, Campo do Brito, Carira, Feira Nova, Frei Paulo, Gararu, Ilha das Flores, Itaporanga D`Ajuda, Japaratuba, Lagarto, Pedra Mole, Poço Redondo, Propriá e Simão Dias. André Moura atendeu a solicitação da Companhia de Desenvolvimento do Vale São Francisco (Codevasf).

 

Codevasf

De acordo com César Mandarino, os equipamentos servirão para ajudar no trato do solo e colheita nas regiões agrícolas dos vales dos rios São Francisco e Vaza-Barriz. “Era uma demanda constante dos prefeitos devido à carência de investimentos em tecnologia para melhorar o manejo da terra. A medida levará melhorias às famílias de baixa renda que vivem da lavoura, sobremodo na geração de renda, servindo para estruturar e fortalecer os produtores rurais”, salientou.

 

Esforço da equipe

Já André Moura destacou a dedicação e competência do corpo técnico da Codevasf em Sergipe. “Os técnicos têm se destacado no cenário nacional, conforme sempre reafirma o próprio presidente da empresa, Avelino Neiva. Sem o grande esforço dessa equipe, esses projetos não seriam possíveis. Só consigo viabilizar os recursos solicitados pelos prefeitos por causa do grau de excelência técnica e do trabalho da Codevasf. É um orgulho para os sergipanos”, finalizou. 

 

Iran Barbosa

O Vereador Professor Iran Barbosa (PT) participou da 11ª edição da “Prova Final da Educação Pública”, atividade organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial do Estado de Sergipe – Sintese. A Prova é uma avaliação anual, onde professores e professoras dão notas à política pública educacional de 74 gestores municipais e do governo do Estado. Aracaju fica de fora, já que os professores da rede municipal são filiados ao Sindipema. 

 

Nota 0,8 para JB

Na avaliação de Iran, o reflexo do descaso de uma boa parte dos prefeitos sergipanos e do governador do Estado com a educação e com os educadores fica evidente diante das notas rebaixadas recebidas pela maioria dos gestores, que não alcançaram médias maiores que 5,0 (cinco), sendo reprovados no quesito Política Educacional. O governador Jackson Barreto (PMDB), por exemplo, recebeu nota 0,8 (oito décimos), inferior, inclusive, à nota obtida no ano passado, que foi 0,9 (nove décimos).

 

Emília Corrêa I

A vereadora Emília Corrêa (PEN) cobra a reforma da Lavandeira Pública do bairro Santo Antônio, em Aracaju. Segundo Emília, ainda é grande o número de mulheres que têm como atividade lavar roupa de ‘ganho’. De acordo com Emília, a Lavandeira Pública no Manuel Preto faz parte da comunidade e encontra-se abandonada, servindo de espaço para o acúmulo de lixo e ponto de apoio para usuários de drogas.

 

Emília Corrêa II

“Mais uma lixeira está se formando em Aracaju; dessa vez em um lugar que serve para que as mulheres trabalhem lavando roupa. Outra preocupação é que o espaço serve para que jovens usem drogas”, alertou. Para Emília, mães de famílias que moram no Santo Antônio e trabalharam na lavanderia, criarando os seus filhos com os ganhos provindos da atividade, observam com tristeza a situação de abandono do espaço público, fruto do descaso das autoridades competentes.

 

Kitty Lima

Às vésperas do início do recesso parlamentar, a Câmara Municipal de Aracaju (CMA) aprovou a redação final do Projeto de Lei Nº 274/2017, de autoria da vereadora Kitty Lima (REDE), que dispõe sobre a obrigatoriedade da presença de médico veterinário como responsável técnico nos supermercados, hipermercados e casas de atacadistas de carnes onde sejam produzidos, manipulados, fracionados, armazenados e comercializados produtos e subprodutos de origem animal. O projeto aguarda agora a sanção ou veto do prefeito Edvaldo Nogueira.

 

Veterinários

De acordo com o texto, o médico veterinário terá competência privativa para reinspeção higiênico-sanitária e tecnológica dos produtos e subprodutos de origem animal nesses estabelecimentos. O intuito da vereadora é garantir que as proteínas comercializadas tenham o acompanhamento de um profissional que ateste a procedência do produto.

 

Maria Mendonça

Um levantamento do jornal O Globo revelou que mais de um terço dos municípios sergipanos estão sem delegados efetivos. Uma situação que, para a deputada estadual Maria Mendonça (PP), ratifica a ausência de planejamento do Governo do Estado em relação à segurança pública. “Para cobrir o déficit, muitos delegados estão tendo que acumular delegacias o que, certamente, precariza o trabalho de investigação criminal”.

 

Sergipe inseguro

De acordo com a reportagem, 29 das 75 cidades de Sergipe estão sem delegados, segundo dados que foram fornecidos pelas Associações de delegados de cada Estado. “Como é possível garantir segurança eficiente para a nossa população sem um efetivo adequado?”, indagou a parlamentar, ressaltando ainda que além da carência de pessoal, “faltam condições dignas de trabalho para os agentes da Polícia Civil”.

 

Emenda rejeitada

Preocupada com o quadro de “desleixo” do Governo estadual, a parlamentar apresentou ao Orçamento de 2018 uma Emenda modificativa que transferia R$3 milhões da Secretaria da Comunicação para a Secretaria da Segurança Pública (SSP) com o intuito de garantir melhores condições de trabalho das forças de segurança, mas ela foi rejeitada.

 

Laranjeiras I

Ratificando seu compromisso com a cultura e arte do povo de Laranjeiras, a Prefeitura Municipal, na gestão do prefeito Paulo Hagenbeck (DEM), o “Paulão das Varzinhas”, e da vice-prefeita Suely Alves (DEM), a “Suely da Escolinha”, vai apoiar o lançamento do livro sobre a vida e obra do artista laranjeirense Cândido Aragonez de Faria.

 

Laranjeiras II

Na manhã dessa quinta-feira (28), a professora e doutora do Departamento de Artes Visuais e Design da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Germana Gonçalves de Araújo, responsável pelo trabalho de pesquisa, fez a assinatura do contrato, no gabinete do prefeito.

 

Germana Gonçalves

Pelo contrato, Germana Gonçalves se compromete em entregar o resultado de pesquisa sobre a vida e obra de Cândido Aragonez que, em breve, se tornará um livro bilíngue, que será lançado em breve em Sergipe e na França, na Semana Cultural de Paris. “Foram dois anos de pesquisa dentro da Universidade Federal com os bolsistas do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). A gente faz toda uma abordagem histórica sobre a vida e obra de Cândido Aragonez, e também catalogamos toda a produção dele no Brasil, na Argentina e na França”.

 

Paulão das Varzinhas

Por sua vez, o prefeito Paulão das Varzinhas, acompanhado do deputado estadual Paulinho das Varzinhas, entende que todo investimento para difundir a cultura de Laranjeiras em Sergipe, no País e no Mundo é válido. “Esta é uma obra importante para a cultura do nosso município e é um reconhecimento da nossa administração ao empenho da professora e de sua equipe de pesquisa. Cândido Aragonez nasceu e viveu boa parte de sua infância no nosso município e sua grande obra merece não apenas o nosso reconhecimento, como também que ela seja difundida”.

 

Cândido Aragonez

Filho de Laranjeiras, Cândido nasceu em 1849 e era filho do médico José Cândido e da professora espanhola Josepha Aragonez. Seu pai morreu no município em 1855, vítima de cólera e, em 1858, sua mãe seguiu com os quatro filhos para o Rio de Janeiro. Lá ele estudou na Academia Imperial de Belas Artes e se tornou um importante caricaturista da imprensa brasileira na época do segundo império.

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com




Tópicos Recentes